domingo, 14 de abril de 2013

O FALSO OUROBORU


  O FALSO OUROBORUS.

           
"Não há "lá fora", está tudo em nosso cérebro".

Você realmente acredita nisto?

Então os seres/UFO que nos visitam são criados pela nossa mente?
Não existem outros Planetas habitados além da Terra?

A Terra é o pioneiro e maior laboratório de Criação de Matéria de todos os Universos, e a primeira experiencia de corpo carnal, através de outros DNA's.
A essência do DNA é Energia, Manifestada em matéria atômica.
Esta Energia foi doada por alguém ou Ser. Se ela foi doada/emitida, então existe alguém além/antes de mim, ao externo que está gerando/modelando esta Energia, Eu, Você e todo o Planeta (pena que no nosso caso foi alguém que tinha um defeitinho mental rsrsrrs).

Se acreditar é ser capaz de criar, então se um não acredita, não será jamais um co-criador/criador nem de sua própria realidade, e dai realmente não haverá nada lá fora - mas é o 'teu' lá fora.
Eu acredito, então a minha realidade lá fora é mais real do que a tua.
Acreditar (=fé) é um dos passos de formação do co-criador.
Com o tempo e as Encarnações ele aprenderá a criar com os seus sentidos.
Não estamos aqui a passeio. A nossa escola é a FORMA.

Entendeu? Não? Ilustro melhor.
Por exemplo, em uma Encarnação ele nascerá como musico, e aprenderá a criar musica.
Na outra artista plástico/desenhista industrial, e aprenderá a criar Forma Mental e materializá-la.
Na outra cozinheiro, e aprenderá a criar aromas e sabores.
Na outra cientista, aprenderá a criar probabilidades racionais.
Na outra filósofo, que observará e criará o pensamento abstrato e concreto.
A visão praticamente estará te acompanhando em todos estes processos, ativando a tua acuidade para cores, formas e percepção do Mundo Externo para sua leitura pessoal.

O tato e a pele te proporcionarão conhecimentos de temperatura, textura e suas qualidades (morno, frio, liso, áspero).
E por ai, vai com diversas etapas vivenciadas.
Até que você aprenda a criar possibilidades em torno a você (telepatia, visualização, percepção extrassensorial, sentir campos e Corpos Energéticos, gerar ‘coincidências’, viagem astral, ir e vir, sentidos despertos para o que chamam de ‘paranormalidade’ ).

Muitas pessoas às vezes não sabem que já estão preparados ou até nem admitem, e daí recebem um empurrãozinho do destino (inspiração/contato externo/connected).

Esta é a máxima de Fox Mulder: “Eu quero acreditar!”
                               
Porque enquanto você não acredita você esta fora da Dinâmica Quântica.
Por isto é que muitos cientistas que a estudam passam de ateus a crentes.
                          
De todas as etapas a serem concluídas a mais difícil é a do ‘Amor Crístico’, porque ela trás todas estas Manifestações.
Daí você estará apto para criar estruturas maiores.
                  


                       

Então moral da história: Ou você acredita e cria um Mundo de Possibilidades para você mesmo aqui e lá fora (expansão da sua área de criação), isto é, se você pensa no Bem e Prosperidade, tudo que você pensar e tocar (MIDAS) se tornará em Bem (OURO).
Ou você não acredita (não entra) no jogo da Criação.
A própria Mente imita o Ouroborus, ela gira em si mesma e não sai para o externo, para lugar nenhum.
Ela se satisfaz em morder o próprio rabo - instinto de um réptil quando se sente ameaçado...

                           
Nota: Para alguns autores, a imagem da Serpente mordendo a cauda, fechando-se sobre o próprio ciclo, evoca a Roda da Existência.
        
               
A Roda da Existência é um Símbolo Solar, na maior parte das tradições.
            
Ao Contrário do Círculo, a Roda tem certa valência de imperfeição, reportando-se ao Mundo do Futuro, da Criação Contínua, da contingência, do perecível.

D.A.M. - 09.04.2013

2 comentários:

Dinarte araujo neto disse...

Concordo com o(a)autor(a) que nosso ser participa do ouroborus da gênesis no aqui-agora, pelo menos a nível da consciência de cada um ao longo da práxis da existência e de sua energia livre, aquela que conseguiu desatar do nó do mundo e do consenso, como D.Juan nos Livros de C.Castaneda nos fala. E aqui é essencial a enegia sexual resgatada pelo tantrismo. Mas acho que o eu pessoal busque o centro no arquétipo do self que Cristo nos insere, pois é essencial para não perdermo-nos nos infinitos caminhos do ouroborus cósmico-mental (o nagual oceânico e seus predadores de energia), bem como nos centralizarmos no coração-mente ( o shen dos taoistas) onde o amor é o princípio universal.Unotantra cristico.blogstop

Dinarte araujo neto disse...

Relendo o texto acho que acabei entendendo segundo minha perspectiva da gênesis cíclica e polimórfica de múltiplas dimensões aqui-agora, o que não me parece que o autor(a) pretendeu, até porque para esta perspectiva a 'reencarnação' é impessoal e irrelevante, já que é um ciclo multifacético do ser, sem libertação:é uma das leitura do ouroborus citada no blog do Spectrum(esoterismo). Nada prova que um artista é superior a um padeiro ou um agricultor, todos são equivalentes na dinâmica da totalidade. Mas se o ouroborus é o símbolo do ser humano que digere a si mesmo na alquimia da libertação, então concordo. Entretanto antes que nos percamos nos labirintos do esoterismo, o centro holístico e humano em Cristo precisa ser desvelado em nosso coração-mente, ou a areia movediça da totalidade e seus predadores, sua força imanente e a resultante zero do equilíbrio, acabará nos emparedando num beco sem saída.Unotantra crístico.blogstop