segunda-feira, 1 de junho de 2009

AMOR: O MANDAMENTO DO PASSADO, DO PRESENTE E DO FUTURO

Amor: O Mandamento Do Passado, Do Presente E Do Futuro‏

"Amar a Deus no próximo como em si mesmo".
(Os Pensamentos São Nosso Destino – Ponte Para Luz)




Desde que a humanidade separou-se da Fonte Divina há muitas e muitas eras, ela tem recebido uma única orientação para encontrar o caminho de volta ao Lar: Amar!

Após a queda, afastamo-nos tanto da divindade que esquecemo-nos que dela fazemos parte. Com a chegada de Sanat Kumara e o advento da Grande Fraternidade Branca, aos poucos fomos recobrando a consciência. Passamos então a reconhecer Deus nos fenômenos da Natureza e um sentimento de saudade, uma certa lacuna em nossos corações, nos levava a despertar o conhecimento de nossa natureza divina interior. Nossa relação com a divindade nesse tempo era de temor. Os instrutores da humanidade ensinavam que, para retornar à ligação com a Fonte original, o buscador devia ser "temente a Deus". Para receber "favores" de Deus, chegamos ao extremo de sacrificar animais, nossos irmãos menores, e até seres humanos. Pensávamos então que Deus era um ser carregado de ira que a todos castigava com seus caprichos.

Muitas eras se passaram até que Moisés pudesse nos trazer as Tábuas da Lei, que constituíram os primeiros mandamentos de Amor. Foi Moisés quem nos ensinou o verdadeiro nome de Deus, ouvido do Fogo Ardente da Sarça de Horeb: "EU SOU aquele que sou" (Êxodo, 3-14). Os três primeiros dos Dez Mandamentos dizem respeito ao amor a Deus e os outros sete ensinam o amor ao próximo. Claro que os mandamentos recebidos no Monte Sinai naquela época estavam numa linguagem acessível àquele povo. Palavras que podiam ser compreendidas e assimiladas. Mesmo assim, até hoje, os que se dizem seguidores da doutrina da Bíblia Sagrada ainda desobedecem o Decálogo de Moisés.

Contudo, a humanidade evoluiu e pudemos receber ensinamentos mais refinados dados pelo Mestre Jesus Cristo. Ele resumiu os Dez Mandamentos numa única frase: "Ama a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo". Tal mandamento era apropriado para aquele tempo, uma vez que crescera demasiadamente em nós o amor próprio. O egoísmo estava de tal forma arraigado que o caminho apresentado era o de dividir o amor ao próprio indivíduo com o amor a todos, como uma busca pelo equilíbrio. Ainda não estávamos aptos para reconhecer a divindade em todos e em tudo, mas o Príncipe do Amor procurou ensinar-nos o amor incondicional.

Dois mil anos se passaram e hoje somos concitados não apenas a amar o próximo, mas a reconhecer em cada um a própria manifestação de Deus. Sabemos que isso não é nada fácil, pois temos a tendência de ver defeitos nos outros. Para nós, o outro é que é mau, feio, idiota, deficiente, etc. Ora, se estamos vendo tanto defeito, como poderemos reconhecer a divindade no outro? Contudo, o ensinamento atual prescreve: "Ama a Deus no próximo como em si mesmo".

No futuro, não serão mais necessárias tantas palavras, pois iremos atingir a convicção plena de que Amar é o único mandamento do Universo. Amar... simplesmente: amar...


Eduardo AG

Um comentário:

Cacau Loureiro disse...

Adorei o blog e a mensagem que passa, voltarei muito mais vezes, fica na paz. Esta postagem é tudo que o ser humano deveria entender. Mas, somos espíritos teimosos e cegos por opção. Chegará um dia que teremos o real entendimento, grande beijo!